Sua escola está preparada para acolher alunos autistas? 

Os desafios da inclusão do aluno com Transtorno do Espectro Autista no âmbito escolar

Ser incluído na sala de aula, na família, na recreação ou em eventos sociais, é importante para qualquer pessoa, mas para as crianças, desempenha um papel fundamental no desenvolvimento emocional, físico e social. Mas será que as escolas estão preparadas para a inclusão social?

As escolas regulares têm recebido uma parcela crescente de alunos diagnosticados com TEA (Transtorno do Espectro Autista). A lei garante a criança com deficiência o direito de estudar na rede regular de ensino, bem como um suporte especializado para atender suas necessidades. No entanto, a maioria das escolas não estão preparadas para atender crianças com deficiência. Portanto, a inclusão social ainda não está sendo realizada de forma satisfatória.

De acordo com o Professor Lucelmo Lacerda, psicopedagogo, doutor em Educação pela USP, pós-graduado em psicologia pela UFScar e pesquisador sobre autismo e inclusão escolar, autor do livro “Crítica à pseudociência em educação especial – Trilhas de uma educação baseada em evidências” – (Ed. Luna Edições – 2023), o debate sobre a escolarização de pessoas com deficiência no Brasil está assolado pela pseudociência, inclusive em grandes universidades, que repetem o mantra do fim das salas e de escolas especializadas. Lucelmo que também é autista e pai de criança autista, destaca a Inclusão Total na Educação com o fim das salas e escolas especializadas e a limitação de apoios pedagógicos em prol da integração social pensada conforme a necessidade de cada aluno.

A inclusão é um processo que visa proporcionar oportunidades educacionais igualitárias para todos os alunos, independentemente de suas habilidades ou desafios. Abaixo estão algumas considerações importantes para o papel do professor na inclusão de alunos autistas, segundo o professor Lucelmo Lacerda.

  • Conhecimento e Sensibilização:  

É essencial que os professores busquem compreender melhor o autismo, suas características e variações. A sensibilização é fundamental para criar um ambiente acolhedor e compreensivo.

  • Adaptação do Currículo: 

Os professores devem estar dispostos a adaptar o currículo para atender às necessidades individuais do aluno autista. Isso pode incluir a modificação de materiais, métodos de ensino e avaliações.

  • Comunicação Clara e Direta 

Comunicação clara é fundamental. Alunos autistas podem ter desafios na compreensão de linguagem verbal e não verbal e na interpretação de sutilezas sociais. O professor deve ser direto, utilizar linguagem clara e oferecer instruções passo a passo.

  • Flexibilidade e Paciência 

Flexibilidade é essencial. Alunos autistas podem ter rotinas específicas ou necessidades de apoio em determinados momentos. Os professores precisam ser pacientes e compreensivos, adaptando-se conforme necessário.

  • Apoio Individualizado 

Oferecer apoio individualizado é crucial. Alunos autistas podem se beneficiar de estratégias específicas de ensino, como instrução visual, uso de recursos tecnológicos ou apoio de profissionais especializados.

  • Inclusão Social 

Promover inclusão social é parte importante do papel do professor. Isso pode envolver a criação de atividades que incentivem a interação entre os alunos, ensino de habilidades sociais e promoção de um ambiente de aceitação.

  • Colaboração com Profissionais Especializados 

Colaborar com profissionais especializados, como psicólogos, terapeutas ocupacionais e fonoaudiólogos, pode enriquecer o suporte oferecido ao aluno autista.

  • Avaliação Contínua 

Realizar avaliações regulares para monitorar o progresso do aluno e ajustar as estratégias de ensino conforme necessário é uma prática importante.

  • Envolvimento dos Pais 

Manter uma comunicação aberta com os pais é crucial para entender melhor as necessidades do aluno e garantir uma abordagem consistente tanto na escola quanto em casa.

  • Promoção da Empatia 

Fomentar a empatia e a compreensão entre os alunos pode criar um ambiente mais inclusivo, onde todos aprendem a respeitar e valorizar as diferenças.

Ao desempenhar esse papel ativo na inclusão do aluno autista, os professores contribuem significativamente para um ambiente educacional mais diversificado e igualitário. Cada aluno é único, e a abordagem individualizada é fundamental para garantir que todos os alunos, incluindo os autistas, tenham a oportunidade de alcançar seu pleno potencial.

Lucelmo Lacerda   é Professor Universitário, Doutor em Educação pela PUC-SP, com pós-doutoramento no Departamento de Psicologia da UFSCar e pesquisador em Autismo e Educação Inclusiva. Ele também é autor de diversos livros, entre eles “Transtorno do Espectro Autista: uma brevíssima introdução” e “Crítica à Pseudociência em Educação Especial: trilhas de uma educação inclusiva baseada em evidências”.  

Lacerda pode contribuir significativamente para que a imprensa se aprofunde nas discussões sobre o assunto, dada a relevância do tema para a educação no país. Diante disso, gostaria de, gentilmente, sugeri-lo como fonte especializada.  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima